RSS

Arquivo da tag: sentimento

Química

Dogcat

“No human relation gives one possession in another…
every two souls are absolutely different.
In friendship and in love,
the two side by side raise hands together
to find what one cannot reach alone.”

(Kahlil Gibran)

Penso,

Olhos, traços, sons, gestos, trejeitos, sorriso.

Atitudes, pensamentos, idéias, ideais, sonhos, movimento… ação.

Ver, Ouvir, Cheirar, Tocar, Provar.

Tão simples mas ao mesmo tempo tão intenso… tão suave mas ao mesmo tempo tão profundo.

Como se explica química? Talvez seja algo impossível de fazer-se específico e universal devido à tantas combinações possíveis.

Olhares correspondidos que transmitem uma comunicação invisível entre as partes;
Palavras pronunciadas com simplicidade e despertando um sorriso no fundo da alma;
Movimentos mágicos, traços únicos, o desenho do sorriso e a dança no andar;
Calor no abraço, intensidade no beijo, e todas as interrogações que podem surgir depois de tantas “estranhas coincidências”.

Química é sentir-se banhado por uma chuva de fascínios e explodir por dentro,
é sentir a energia no ar e desistir de tentar compreender, sentir… viver.

É encontrar coragem quando nos sentimos mais bravos,
descobrir determinação quando estamos mais dispostos,
alimentar a verdade,
multiplicar a paz,
descobrir a felicidade,
amar.

É saber que vai ter por quem esperar,
sentir-se lembrado,
são saudades,
nó na garganta e ansiedade,
vontade de ligar,
sentir-se capaz.

… é… dá vontade!

Mas não pode ser fabricado, escolhido, decidido, racionalizado… é uma condição única para os preparados, quem não está pronto… paciência. Desistir de encontrar um sentimento puramente racional requer abrir espaço para o sentimento, e viver este sentimento é não precisar de evidências para confiar… é entregar e sentir-se feliz nesta entrega. Razão não ensina isso.

 
2 Comentários

Publicado por em 10 dezembro, 2007 em Poesia, Vida

 

Tags: , ,

Um

One

Com quantas dores se faz uma lição?
Quanto tempo até que a segurança não nos permita hesitar?
Quantas outras pessoas até sentirmos a paz que tanto procuramos?
Quantos conflitos até que a solução seja a prioridade, e não o ganho pessoal?

Existem níveis imensuráveis em se tratando de variáveis tão imprecisas. Cada um no seu ritmo, de acordo com as experiências que vivenciou, acreditando por aquilo que considera ser melhor e esperando conquistar. Sonhando?

Quando tudo o que pudermos absorver de positivo nossas vidas tornar-se o motivo maior de qualquer exercício, provavelmente estaremos vivendo em um lugar onde a qualidade de vida permita que possamos nos sentir um pouco melhores, ou menos desconfiados. Quando o sentimento for inquestionável, a confiança inabalável e a certeza absoluta, restarão poucos obstáculos para sentir a plenitude da entrega e do entregar-se.

Não quero apenas uma vida plena de conquistas materiais, quero uma vida cheia de amigos verdadeiros. Quero pessoas justas e honestas, quero nada menos que qualquer ser humano merece.

Até quando a paciência e a tolerância permanecerão de plantão eu não sei dizer, mas não deixarei de ser justo e honesto só porquê não vejo isto nas pessoas com quem muitas vezes temos de conviver.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 17 novembro, 2007 em Cotidiano, Vida

 

Tags: , , ,